Ódio não pertence à sala de aula

(CÂMERA ativada Campus) (30 de dezembro de 2020)

Por Ben Zaghi, bolsista da CAMERA da University of California, San Diego, 2020–2021

Foto: Belis @ rio / Wikimedia Commons

A oportunidade de educar o público é semelhante a possuir uma chave que pode abrir duas portas. A primeira porta, quando destrancada, leva a um caminho sem fim para crescer e desenvolver ideias positivas que beneficiam a sociedade. A segunda porta, quando destrancada, leva a um caminho sem fim de desinformação e preconceitos que prejudicam a sociedade. Evidentemente, o poder da educação é o mais prevalente de todos os tempos, enquanto trabalhamos para unir todos os americanos e pressionar por reformas sociais. Conseqüentemente, elogio o governador Newsom da Califórnia por vetar o Projeto de Lei 331 da Assembleia em 30 de setembro de 2020.

Se o Projeto de Lei 331 da Assembleia tivesse sido aprovado sem veto, teria obrigou a todos os alunos do ensino médio da Califórnia a fazer pelo menos um curso semestral do currículo de estudos étnicos proposto no projeto de lei. Embora alguns tenham argumentado que o objetivo dos estudos étnicos é “ser cidadãos globais com uma apreciação pelas contribuições de múltiplas culturas”, o projeto explora a abertura do público mente para abrir cegamente a porta que leva à exclusividade, ódio e desinformação.

Clique aqui para ler o resto no CAMERA no blog Campus